domingo, 4 de dezembro de 2016

Guia Básico Para Iniciantes - Parte 3

Bom! Já falamos sobre os passos iniciais e sobre equipamentos básicos e a ordem em que você deve investir. Agora vamos falar sobre um elemento vital para uma boa excursão: O Guia.

Sobre o Guia



Oficialmente, por força de lei, somente um guia com credenciamento pelo Ministério do Turismo, através da Embratur é que pode guiar pessoas seja lá em que tipo de excursão for. Até hoje isto não foi mudado. Portanto os cursos oferecidos por clubes de excursionismos, e entidades particulares, e outros não tem validade perante a lei.

Mas calma. Apesar de ter uma vertente na formação de guia de turismo para atrativos naturais, que só agora possui uma certa procura, o curso da Embratur pouco oferece de prática ou teoria para quando estar dentro do mato. Ele serve mais para auxiliar a tratar com os paxs (termo usado para os participantes da excursão), fazer a logística e de todos os trâmites para levar e trazer. Durante o percurso a credencial de um guia de turismo "legal" pouco vale, se ele não tiver o de atrativos naturais.

E aí? Como faz? O cenário ideal seria combinar os dois mundos. O de guia de turismo Embratur com o de formação de guias de montanha oferecido pelos clubes ou entidades regulamentadas, ou de um guia com bastante experiência na montanha. Desta forma você estaria guarnecido de forma legal com alguém com experiência e conhecimento para guia-lo nas trilhas.

Como funciona na prática? Poucos são os guias de montanha, que possui credenciamento Embratur. E isso é bem comum e aceito. Sim, pois você na verdade precisa de alguém que te leve e traga com bastante segurança, muito mais do que entender de organizar uma excursão. O problema como saber o grau de experiência desta pessoa ou se é experiente o suficiente para te levar e trazer? Só tem uma forma de saber. Pesquise. Praticamente todos eles possuem redes sociais. Provavelmente você conhece alguém que já tenha feito uma excursão com um determinado guia. Procure saber sobre ele o máximo possível. Muitas "empresas" só tem de empresa o nome. Nem registrado nos órgãos oficiais estão. Veja bem. A sua vida é quem está em jogo. Para os que são registrados no Ministério do Turismo você pode ainda fazer queixa. Os outros só no Procon ou delegacia. Pois trata-se de exercício ilegal da profissão. E os outros cursos oferecidos para guia de montanha são denominados "livres", ou seja, qualquer um pode oferecer. Inclusive, quem nunca botou um pé numa trilha.

Sobre os Paxs



Ok. Agora vamos falar de vocês pax, ou seja, participantes da excursão. Infelizmente existe problemas durante as excursões que não é decorrente dos guias, da geografia, do clima, do tempo, dos animais ou das plantas. Vem internamente. Um grupo jamais será heterogêneo. São várias mentes pensando de forma diferente, com temperamentos diferentes, visões do mundo diferente e que reagem de forma diferente a diversas situações. E aqui vai algumas atitudes que os paxs devem fazer e outras que deve evitar:

1) Pergunte ao guia somente o necessário: Não quer dizer que você não possa conversar com ele. Mas evite de fazer perguntas repetitivas ou sem nexo.

2) Saiba aonde está entrando: Antes de entrar numa trilha ou trekking pegue todas as informações necessárias sobre ela. É horrível ter que ficar parando a todo momento, pois o pax entrou em um evento que não estava preparado para entrar. E aos demais, diante desta situação, não fique criticando este membro. Uma vez iniciado o evento procure auxiliar os que estão menos preparado. Já que estão nela vão até o fim. Se existe ainda a possibilidade de retorno deste membro, faça-o. Caso contrário dividam o peso ou auxiliem o máximo.

3) O conspirador: Este talvez seja o pior. Por algum motivo ele quer se mostrar melhor que o guia. E muitas vezes começa a minar a confiança do grupo. Este tipo de pessoa tem problema de ego. E sente a necessidade de sempre estar acima dos outros. Se ele encontrar um grupo que seja uma presa fácil, danou-se. Lembre-se. Vocês estão sobre a condução do guia. Ele pode não ser perfeito. Mas é ele quem está a frente do grupo e conhece o caminho.

4) O carente: Ele parece muito com o membro mencionado no item 2. Mas ele faz isso por manhã. Não se deve dar muita atenção para ele, pois é tudo que ele quer. Portanto não leve os seus problemas de atenção para a trilha. Pois se tiver de fato com algum problema, vai ser difícil saber diferenciar.

5) O indisciplinado: Não segue as orientações do guia. Faz o que der na telha. Se o guia orienta para não subir em tal lugar ele o faz. Se pede para não se afastar ele faz. Pede para pegar a lanterna, mas inventa uma desculpa, pois apesar de estar escuro ou ficando, ele se garante na luz dos outros. Grande potencial de causar problemas.

Tem outros que poderia listar aqui. Mas em suma: O que o guia mandar ou orientar é "amém". Não crie problemas e principalmente não seja um problema.

Por último, tenha o seguinte pensamento na sua cabeça. Quando estiver em uma trilha, não existe mais o indivíduo, e sim um grupo. E o mesmo tem que agir como se fossem um único indivíduo e de forma mais harmoniosa possível.

Na próxima vou falar sobre classificação de trilhas.

Novas Mochilas Osprey - Linha Exos

As mochilas mais leves da Osprey Review by Arco e Flecha.